Portugal, a sudoeste da Europa, com a sua faixa litoral voltada para o Atlântico, era a geografia mais central no mundo e portanto propícia à navegação.

O país voltou-se para o mar e lançou-se na Expansão Marítima.

Há mais de 500 anos, a Tecnologia Portuguesa consolidou e aperfeiçoou instrumentos como cartas náuticas, roteiros de viagens, agulha de marear (bússola), naus e caravelas.

A caravela, um barco de maior calado que a barca. Possuía dois mastros e velas triangulares (panos latinos). Era veloz e, e o mais importante, navegava à bolina. A Tecnologia Portuguesa descobriu e desenvolveu a primeira embarcação adequada à exploração oceânica. Os navegadores portugueses passaram a orientar-se pelos astros (Sol e outras estrelas) – inventando a navegação astronómica, com o aperfeiçoamento de instrumentos como o  Astrolábio e o Quadrante; além disso, transformaram o Báculo de Jacob na Balestilha.

Estes instrumentos de precisão permitiram pela primeira vez na história da humanidade a determinação de uma localização exacta, mediante rigorosos cálculos matemáticos. As medições rigorosas das distâncias, as anotações das características da costa e outras informações eram transmitidas pelos marinheiros aos cartógrafos, que desenhavam mapas cada vez mais rigorosos. Os portugueses fizeram o aperfeiçoamento da instrumentação e cartografia em todo o mundo.

Aliando inovadoras embarcações e instrumentos de navegação, a coragem e ousadia dos navegadores portugueses serviram o objectivo de dar novos mundos a conhecer ao mundo.

A época dos Descobrimentos constitui a passagem de um mundo a outro, da Europa a toda a Terra. Portugal foi o pioneiro da globalização.

É a época em que os esquemas tradicionais são ultrapassados, em que se reconhece que é necessário prestar atenção à observação; é ainda a época onde muitos mitos se desvanecem. Os descobrimentos científicos determinaram uma mudança radical na concepção da Terra e do Universo. Os Descobrimentos Portugueses foram a principal causas e consequência do Renascimento, dada a vontade crescente do Homem de conhecer o mundo e por este apregoar o seu conhecimento.

Homens como Gil Eanes, ultrapassaram pela primeira vez o Cabo Bojador, Bartolomeu Dias o Cabo da Boa Esperança, Vasco da Gama pela primeira vez descobriu o caminho marítimo para as Índias ou Pedro Álvares Cabral que descobriu o continente americano, abrindo caminho a Cristovão Colombo, são os ousados protagonistas das grandes descobertas marítimas que exigiram novos métodos de investigação científica, baseados na observação directa e nas experimentação.

É Portugal que lidera os avanços da técnica, constrói inovadoras embarcações e aperfeiçoa instrumentos que sustentam a vontade do homem para dominar a natureza e o mundo.

Portugal, é o país mais importante no desenvolvimento da Europa, sendo de primordial importância os seus contributos para o desenvolvimento científico da humanidade, nomeadamente na botânica / medicina, astronomia; cartografia; matemática; geografia e antropologia.

Ao longo dos séculos, outros portugueses como Serpa Pinto ou Hermenegildo Capelo, Gago Coutinho deram continuidade ao ADN genuinamente português de inovação, audácia e desenvolvimento.

Hoje, Portugal é um dos países que mais utiliza e implementa novas ferramentas e tecnologias de informação.

Encontra-se nos primeiros lugares do ranking mundial de e-government, e-banking  e acessibilidade ao mundo digital.

Portugal é um conceituado fabricante de plataformas de software, implementadas por todo o mundo, com especial destaque na lusofonia, um mercado com mais de 260 milhões de pessoas. 

A tecnologia portuguesa, foi nos últimos 600 anos, e continuará a ser uma das mais importantes no desenvolvimento da Europa e do mundo.

© EGAPI, 1990-2021, todos os direitos reservados